1

Biotecnologia de microalgas: funções e aplicações

Nos últimos anos, o interesse no estudo de microalgas cresceu exponencialmente. Foram dois motivos que impulsionaram essa mudança. 

O primeiro tem a ver com a crise energética, pois grande parte da energia utilizada hoje vem de fontes não renováveis e causam grande impacto no meio ambiente. Por isso, cientistas estão à procura de “energia limpa”, ou seja, sem a liberação de resíduos que contribuem com o efeito estufa e aquecimento global. 

Outro motivo que impulsionou a relevância da biotecnologia de microalgas foi a descoberta da sua vasta aplicação comercial. Os elementos estudados podem ser usados em distintas áreas, como nutrição, saúde humana e animal, além do tratamento de águas residuais.

Aos poucos, é possível ver um novo universo à nossa disposição. Para entendermos melhor como ele funciona, suas funções e aplicações, listamos algumas das microalgas mais conhecidas e onde elas costumam ser encontradas. Boa leitura! 

O que são microalgas?

Primeiramente, é preciso entender o que são microalgas. Também conhecidas como algas unicelulares, são microrganismos encontrados em corpos aquáticos.

Além disso, elas podem estar presentes em folhas ou caules de vegetais, podendo formar líquens, uma vez que fazem simbiose com fungos.

Esse grupo de organismos é fundamental para a manutenção da vida terrestre. Afinal, juntos das macrófitas aquáticas, fazem parte da produção de maior parte do oxigênio (O2) da atmosfera.

As microalgas possuem grande resistência e capacidade de adaptação, o que explica sua permanência na Terra por tanto tempo.

A maioria das algas unicelulares é capaz de produzir o próprio alimento usando apenas energia solar e sua baixa exigência nutricional, bem como seu rápido crescimento na presença da luz, viabiliza a produção em biorreatores abertos. 

Conheça as microalgas mais comuns

É possível encontrar no mercado diversas microalgas e cada uma tem sua própria especificação. Listamos as mais conhecidas, onde são encontradas e os benefícios dos seus usos.

Chlorella

Estima-se que a Chlorella existe desde o período Pré-Cambriano, há mais de 2,5 bilhões de anos.

Ela é encontrada na água doce e os especialistas da biotecnologia de microalgas dedicam boa parte dos seus estudos a essa alga unicelular. Como consequência, é uma das mais estudadas do mundo.

Ela também é conhecida por ser um superalimento –  alimentos naturais extremamente ricos em nutrientes, vitaminas, proteínas, minerais e outras substâncias necessárias para o bom funcionamento do organismo. Não à toa, é utilizada como suplemento por astronautas da Nasa em viagens espaciais. 

A Chlorella é composta por 20% de camada externa fibrosa não digerível, com grande potencial desintoxicante, e 80% de nutrientes interiores, responsáveis pela capacidade nutritiva.

A eficácia antioxidante da microalga está certamente ligada ao fato dela ser a maior fonte de clorofila do planeta.

Por isso, o consumo da Chlorella ajuda a eliminar diversas substâncias tóxicas do corpo, incluindo metais pesados ??como o mercúrio e chumbo.

Sua forma de consumo mais comum é na forma de cápsulas. Ao ingerir a dose diária recomendada do suplemento frequentemente, é possível observar vários benefícios. Entre eles:

  • aceleração da cicatrização
  • fortalecimento do sistema imunológico
  • redução dos ataques de asma e reações alérgicas  

Spirulina

Quando falamos da biotecnologia de microalgas, não podemos esquecer que elas, junto com bactérias e fungos, podem ser utilizadas como proteína unicelular. 

Um dos destaques é a microalga do gênero spirulina, que há anos é utilizada como forma de alimento.

Ela representa uma família de microrganismos de espécies de bactérias verde-azuladas, que pertencem ao filo Cyanobacteria. Esse tipo é facilmente encontrado em território nacional, em especial na região do Pantanal.

As espécies Spirulina platensis e Spirulina maxima são muito utilizadas como suplemento alimentar. Ambas possuem porcentagens altas de proteína, que variam entre 64% e 74%, vitaminas do complexo B, minerais, antioxidantes ß-caroteno, ácidos graxos poli-insaturados e vitamina E.

Desta forma, a spirulina é bastante procurada para auxiliar na recuperação dos tecidos musculares. Ela também ajuda a reduzir os níveis de colesterol no sangue, possui efeito oxidante e protege os glóbulos vermelhos.

Dunaliella salina

A Dunaliella salina é um tipo de microalga verde halófila encontrada especialmente em campos de sal marinho, como oceanos e lagos de água salgada. 

Poucos organismos são capazes de crescer como a Dunaliella salina em meios com ampla faixa de concentração salina.

Neste sentido, a sobrevivência desse tipo de alga envolve altas concentrações de ?-caroteno para proteger contra a luz intensa e altas concentrações de glicerol para fornecer proteção contra a pressão osmótica. 

Isso oferece uma oportunidade para a produção biológica comercial dessas substâncias.

É bastante utilizada nos setores de cosméticos e suplementos alimentares devido a sua atividade antioxidante e capacidade de criar grandes quantidades de carotenóides.

O betacaroteno obtido a partir de Dunaliella salina tem grandes benefícios para o corpo. Uma vez ingerido, é transformado em vitamina A, que contribui para o metabolismo normal do ferro, a manutenção da visão e o funcionamento normal do sistema imunológico.

Quanto às suas aplicações cosméticas, possui um efeito antioxidante que protege a pele contra o envelhecimento causado pelos radicais livres.

É muito rico em minerais, e por isso fornece nutrição e reparação das células da pele. 

Agora você já conhece um pouco mais sobre a biotecnologia de microalgas, suas funções e aplicações. Que tal aprofundar seus conhecimentos no tema e “desvendar” a composição da Green Gem Chlorella? Clique aqui para baixar o infográfico que detalha o composto deste suplemento.

Infográfico - Composição da Green Gem Chlorella

Deixe um comentário